Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 10 de junho de 2014

QUESTÕES SOBRE RELEVO


1- [FMU] Considere as seguintes afirmações sobre o quadro geológico-geomorfológico brasileiro.

I - As chapadas são formas de relevo tabulares em estrutura cristalina.
II - As maiores altitudes do País estão nas áreas de escudos cristalinos.
III - Quanto à sua origem, os planaltos são sempre resultantes de processos de sedimentação.
IV - As planícies brasileiras são áreas sedimentares recentes.

Estão corretas apenas:

(A) I e II                 
(B) I e III                       
(C) I e IV                       
(D) II e IV                         
(E) III e IV

2- A classificação de Aroldo de Azevedo reconhece apenas duas formas de relevo do território brasileiro: planalto e planície. Nesse sentido assinale a alternativa que contém, apenas, formas de planalto da superfície brasileira:

(A) Planalto Brasileiro, Planalto das Guianas, Planalto do Pantanal.
(B) Planalto Central, Planalto Atlântico, Planalto Amazônico e Planície Costeira.
(C) Planalto Meridional, Planalto das Guianas, Planície do Pantanal e Planície Costeira.
(D) Planalto Central, Planalto Atlântico, Planalto Meridional e Planalto das Guianas.
(C) Planalto e Chapada dos Parecis, Planaltos Residuais Sul-Amazônicos e Planaltos e serras de Goiás-Minas.

3- [FUNRIO] A proposta de Ross (1989) da macrocompartimentação do relevo brasileiro estabelece novas extensões para as três unidades geomorfológicas constituintes: os planaltos, as planícies e as depressões. Entre exemplos dessas unidades, aquele que possui uma área bem menor do que se considerava há alguns anos, denomina-se:

(A) planície do rio Amazonas                      
(B) pantanal mato-grossense                       
(C) depressão do São Francisco
(D) depressão periférica central                
(E) planaltos residuais sul-amazônicos

4- [UNIR] Em 1989, o professor Jurandyr L. S. Ross elaborou inovadora classificação do relevo brasileiro que conjuga o passado geológico e climático com os atuais agentes escultores do relevo. Segundo essa classificação, quais são as unidades do relevo no estado de Rondônia?

(A) Depressão da Amazônia Ocidental, Depressão do Miranda, Planalto e Chapada dos Parecis, Planície e Pantanal do Rio Guaporé e Planaltos Residuais Sul-Amazônicos.
(B) Depressão da Amazônia Ocidental, Depressão Marginal Sul-Amazônica, Planalto e Chapada dos Parecis, Planície e Pantanal do Rio Guaporé e Planície do Rio Araguaia.
(C) Planalto da Amazônia Oriental, Planalto e Chapada dos Parecis, Planície e Pantanal do Rio Guaporé e Planaltos Residuais Sul-Amazônicos.
(D) Depressão da Amazônia Ocidental, Depressão Marginal Sul-Amazônica, Planalto e Chapada dos Parecis, Planície e Pantanal do Rio Guaporé e Planaltos Residuais Sul-Amazônicos.
(E) Depressão Marginal Sul-Amazônica, Planalto e Chapada dos Parecis, Planaltos Residuais do Norte e Planaltos Residuais Sul-Amazônicos.

5- Observe a imagem e julgue os itens a seguir.


I- As depressões relativas se caracterizam por estarem acima do nível do mar, conforme indicado pela letra “A” na figura.
II-  Estar abaixo do nível do mar é uma condição necessária para uma depressão ser considerada absoluta.
III- A figura, a letra “B”, sinaliza uma forma de relevo muito comum na Amazônia brasileira.
IV- No território brasileiro não há ocorrência de depressões porque seu território se encontra distante dos limites das placas tectônicas.

Assinale

(A) se somente I, II e IV estiverem corretos.
(B) se somente II, III e IV estiverem corretos.
(C) se somente III e IV estiverem corretos.
(D) se somente I e IV estiverem corretos.
(E) se somente I e II estiverem corretos.




segunda-feira, 16 de setembro de 2013

QUESTÕES SOBRE DEMOGRAFIA



1- [UNEMAT] Sobre a População Brasileira é correto afirmar.

(A) Apresenta alto grau de movimentação interna, sendo o Centro-Oeste a região de maior repulsão populacional.
(B) A taxa de fecundidade da população brasileira vem aumentando significativamente no país.
(C) A maioria da população brasileira está concentrada na faixa oeste do país, em que podem ser encontradas áreas com densidades superiores a 100 hab./km2. Já a porção leste do país é bem menos povoada, com predomínio de densidades inferiores a 10 hab./km2.
(D) A partir de meados da década de 1960, a população urbana passa a ser mais numerosa que a população rural, em razão da industrialização que se acentua desde o final da década de 1950, provocando migrações do campo para a cidade.
(E) A população absoluta do Brasil e sua grande extensão territorial permitem-nos classificar o país como muito povoado, porém pouco populoso.

2- [MACK] O Brasil em 2020

Será, é claro, um Brasil diferente sob vários aspectos. A maior parte deles, imprevisível. Uma década é um período longo o suficiente para derrubar certezas absolutas (ninguém prediz uma Revolução Francesa, uma queda do Muro de Berlim ou um ataque às torres gêmeas de Nova York). Mas é também um período de maturação dos grandes fenômenos incipientes — dez anos antes da popularização da internet já era possível imaginar como ela mudaria o mundo. Da mesma forma, fenômenos detectáveis hoje terão seus efeitos mais fortes a partir de 2020.
 David Cohen, Revista Época, 25/05/2009


Com base no enunciado, observe as afirmações abaixo, assinalando V (verdadeiro) ou F (falso).

(.....) A diminuição da fecundidade no Brasil deve-se às transformações econômicas e sociais que se acentuaram na primeira metade do século XX devido à intensa necessidade de mão de obra no campo, inclusive de mulheres, fato este que elevou o país ao patamar de agrário-exportador.
(.....) Devido à mudança do papel social da mulher do século XX, ela deixa de viver, exclusivamente, no núcleo familiar, ingressando no mercado de trabalho e passando a ter acesso ao planejamento familiar e a métodos contraceptivos. Esses aspectos, conjugados, explicam a diminuição vertiginosa das taxas de fecundidade no Brasil.
(.....) As quedas nas taxas de natalidade de um país levam, ao longo do tempo, ao envelhecimento da população (realidade da maioria dos países desenvolvidos). Neste sentido, verifica-se uma forte tendência a um mercado de trabalho menos competitivo e exigente, demandando menos custos do Estado com os aspectos sociais.

Dessa forma, a sequência correta, de cima para baixo é

(A) V-V-V.
(B) F-V-V.
(C) V-V-F.
(D) F-V-F.
(E) V-F-V.

3- [UNEMAT] No Brasil, as taxas de mortalidade vêm diminuindo desde 1940. Dentre os fatores elencados abaixo, qual deles NÃO contribui para a queda nas taxas de mortalidade?

(A)  Melhoria nas condições sanitárias e higiênicas.
(B)  A dedetização de locais de trabalho e de moradia.
(C)  A proibição do uso de sulfas, antibióticos e inseticidas.
(D)  A expansão da rede de esgoto e de água.
(E)  A vacinação em massa da população.

4- [UERJ] Leia a reportagem abaixo:
                     
Pé na estrada, de novo

Assim, conversinha mole e a criançada que se multiplica. “Eu não vou para São Paulo”, anuncia Ari Félix, 12. Mas o irmão dele foi. “Difícil ficar” é a frase mais repetida. Safras perdidas, falta de emprego, família crescendo. A soma faz os homens alternarem: seis meses lá, seis meses cá. Acostumada às despedidas, Vila São Sebastião sabe a rotina: abraços, apertos de mão e adeusinhos frenéticos que, no caso deles, sempre querem dizer “até logo”.
ARIADNE ARAÚJO Adaptado de O Povo (Fortaleza), 24/07/2001

O movimento populacional descrito na reportagem é classificado especificamente como:

(A) uniforme            
(B) pendular                
(C) compulsório                      
(D) de transumância

5- [FUVEST] Trabalho escravo ou escravidão por dívida é uma forma de escravidão que consiste na privação da liberdade de uma pessoa (ou grupo), que fica obrigada a trabalhar para pagar uma dívida que o empregador alega ter sido contraída no momento da contratação. Essa forma de escravidão já existia no Brasil, quando era preponderante a escravidão de negros africanos que os transformava legalmente em propriedade dos seus senhores. As leis abolicionistas não se referiram à escravidão por dívida. Na atualidade, pelo artigo 149 do Código Penal Brasileiro, o conceito de redução de pessoas à condição de escravos foi ampliado de modo a incluir também os casos de situação degradante e de jornadas de trabalho excessivas. 
Adaptado de Neide Estergi. A luta contra o trabalho escravo, 2007.
Com base no texto, considere as afirmações abaixo:
I. O escravo africano era propriedade de seus senhores no período anterior à Abolição.
II. O trabalho escravo foi extinto, em todas as suas formas, com a Lei Áurea.
III. A escravidão de negros africanos não é a única modalidade de trabalho escravo na história do Brasil.
IV. A privação da liberdade de uma pessoa, sob a alegação de dívida contraída no momento do contrato de trabalho, não é uma modalidade de escravidão.
V. As jornadas excessivas e a situação degradante de trabalho são consideradas formas de escravidão pela legislação brasileira atual.

São corretas apenas as afirmações

(A) I, II e IV
(B) I, III e V
(C) I, IV e V
(D) II, III e IV
(E) III, IV e V

6- [ENEM] Em uma disputa por terras, em Mato Grosso do Sul, dois depoimentos são colhidos: o do proprietário de uma fazenda e o de um integrante do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terras:
Depoimento 1
“A minha propriedade foi conseguida com muito sacrifício pelos meus antepassados. Não admito invasão. Essa gente não sabe de nada. Estão sendo manipulados pelos comunistas. Minha resposta será à bala. Esse povo tem que saber que a Constituição do Brasil garante a propriedade privada. Além disso, se esse governo quiser as minhas terras para a Reforma Agrária terá que pagar, em dinheiro, o valor que eu quero.” proprietário de uma fazenda no Mato Grosso do Sul.

Depoimento 2
“Sempre lutei muito. Minha família veio para a cidade porque fui despedido quando as máquinas chegaram lá na Usina. Seu moço, acontece que eu sou um homem da terra. Olho pro céu, sei quando é tempo de plantar e de colher. Na cidade não fico mais. Eu quero um pedaço de terra, custe o que custar. Hoje eu sei que não estou sozinho. Aprendi que a terra tem um valor social. Ela é feita para produzir alimento. O que o homem come vem da terra. O que é duro é ver que aqueles que possuem muita terra e não dependem dela para sobreviver, pouco se preocupam em produzir nela.”– integrante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), de Corumbá – MS.

A-  A partir da leitura do depoimento 1, os argumentos utilizados para defender a posição do proprietário de terras são:
I. A Constituição do país garante o direito à propriedade privada, portanto, invadir terras é crime.
II. O MST é um movimento político controlado por partidos políticos.
III. As terras são o fruto do árduo trabalho das famílias que as possuem.
IV. Este é um problema político e depende unicamente da decisão da justiça.
Estão corretas as proposições:
(A) I, apenas.
(B) I e IV, apenas.
(C) II e IV, apenas.
(D) I , II e III, apenas.
(E) I, III e IV, apenas.
B-  A partir da leitura do depoimento 2, quais os argumentos utilizados para defender a posição de um trabalhador rural sem-terra?

I. A distribuição mais justa da terra no país está sendo resolvida, apesar de que muitos ainda não têm acesso a ela.
II. A terra é para quem trabalha nela e não para quem a acumula como bem material.
III. É necessário que se suprima o valor social da terra.
IV. A mecanização do campo acarreta a dispensa de mão-de-obra rural.


Estão corretas as proposições:

(A) I, apenas.                                                           
(B) I, II e III, apenas.                                                                
(C) II, apenas.                                                         
(D) III, I, IV, apenas.
(E) II e IV, apenas.

7-  [PUC-MG] A distribuição da população brasileira no território constitui-se um grave problema atual, sendo INCORRETO afirmar que:

(A) a luta pela posse da terra, no campo ou na cidade, para moradia ou trabalho, gera conflitos e acentua a crise política, econômica e social.
(B) ocorrem grandes aglomerações demográficas em áreas urbanas, acentuadas pelo êxodo rural.
(C) o fenômeno da metropolização especialmente se relacionou ao processo de industrialização.
(D) cerca de 1/4 da população vive em áreas rurais, dispersas no território.
(E) a ocupação do espaço é homogênea, por não apresentar empecilhos ao povoamento e a produção.